quarta-feira, 23 de abril de 2008

A carta que te escrevi

Sempre achei muito romântico uma bonita carta de amor.

Ter um papel com o nosso amor anotado, com as palavras escritas ao sabor da saudade.

Sempre gostei da ideia de abrir a caixa de correio e retirar um envelope com o teu toque, com o teu cheiro… Sentir a cada palavra tua o coração pulsar mais forte, sentir as tuas palavras de saudade como minhas...

Mais tarde, ao abrir o velho baú no sótão, ao retirar esta carta amarelada pelo tempo, desgastada pelo reler constante, recordar o quanto verdadeiro e sentido continua o que outrora dissemos, o que outrora escrevemos…

Meu amor, um dia, um qualquer dia, hei-de enviar-te, hei-de mandar-te esta carta…

6 comentários:

Márcio disse...

Fantástico... brilhante! Texto espectacularmente bem escrito... Delicioso.

Vou esperar por essa carta, por essas palavras... para um dia, daqui a meio seculo, já velhotes na nossa cama relermos os dois juntos as nossas cartas de amor...

Beijinhos, amo-te muito P.B. (princesa bela) :D

L. C. disse...

Olha só para dizer que vim cá ler :P

E olha, podes sempre entregar uma carta sem o carteiro como intermediário :P

Excelente texto

Sónia Costa disse...

Pois é, as cartas de amor são um tesouro que se guarda com o maior cuidado e que, quando relemos, nos faz voltar atrás e recordar momentos e palavras inesquecíveis.
Tenho uma caixinha com cartas de amor.
E guardo-as com o maior carinho.
São das recordações mais sentidas as palavras escritas ao sabor da paixão.

Delusion disse...

Muito bom texto e excelente blog!!

Um Momento disse...

Cartas...
Saudades de tempos em que a caixa do correio se "enchia" não só pelas contas a pagar , mas pelas cartas trazidas pelo carteiro onde se podia ler sentires , sorrisos ,ou a mais banais das palavras...
Cartas em tempo... presente... raridade ...mas aqui me saltou a memória e a lembrança: tenho que escrever uma carta!
Linda esta tua lembrança,este teu sentir:)))))))
Um beijo de mim para ti!!!
E a maior das Felicidades!!!!

:)))))))))))

(*)

Anónimo disse...

Ehhh lá de casa !!!
Donde está o mp3 que passei aqui e saí rapidinho (sinceramente nâo é o meu tipo de blogue) e agora essa musiquita nâo se cala ... ou será que nem é daqui ? Desculpe-me!