sexta-feira, 4 de abril de 2008

Ausência

Aperto-te nos meus braços... tentando manter-te ao pé de mim!
Fico surda ao som da tua voz quando dizes que tens de partir...
Sinto o meu corpo esmagar-te impedindo-te de sair dos meus braços...
Sinto o coração a chorar prevendo a tua ausência...
A tua ausência é a minha dor...
Teu afastamento o meu pecado!

3 comentários:

Sónia Costa disse...

Mas que belas palavras!!!
Muito sentimento aqui, sem dúvida.
Beijinhos

Márcio disse...

Soube bem estar ao pé de ti sem ser de forma programada. Estar contigo a meio da semana, melhor ainda apanhar-te desprevenida e deixar-te sem jeito.
É fixe fazer surpresas, pena é não dar para o fazer mais vezes…

Mas custou muito não poder estar contigo mais tempo. Chegar, abraçar, beijar, partir… mas no fundo, foi mais um passo à frente. Como dizia uma conhecida, “um passo de cada vez, cada degrau a seu tempo”… havemos de chegar ao topo.

L. C. disse...

Muito lindo :)

Mas ali para o Sr. Márcio: "Como dizia uma conhecida, “um passo de cada vez, cada degrau a seu tempo”… "... fogo, agora tratam-me por "conhecida"... hei-de ter uma conversa convosco!