quarta-feira, 23 de abril de 2008

A carta que te escrevi

Sempre achei muito romântico uma bonita carta de amor.

Ter um papel com o nosso amor anotado, com as palavras escritas ao sabor da saudade.

Sempre gostei da ideia de abrir a caixa de correio e retirar um envelope com o teu toque, com o teu cheiro… Sentir a cada palavra tua o coração pulsar mais forte, sentir as tuas palavras de saudade como minhas...

Mais tarde, ao abrir o velho baú no sótão, ao retirar esta carta amarelada pelo tempo, desgastada pelo reler constante, recordar o quanto verdadeiro e sentido continua o que outrora dissemos, o que outrora escrevemos…

Meu amor, um dia, um qualquer dia, hei-de enviar-te, hei-de mandar-te esta carta…

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Saudade

Fecho os olhos para te ver...
Abro os braços para te sentir!
Atino os ouvidos para te ouvir...

Mas sei que não estás aqui...

Quando vem a saudade de te ver, de te ter e te sentir...
Apenas me resta o ouvir doce da tua voz...
O ouvir quase quente da tua respiração...

Não estás mas estás aqui...
Estás em mim...
Em tudo que sou...
Em tudo que sinto...

sábado, 12 de abril de 2008

A nossa música



Sei de cor


cada traço do teu rosto,


do teu olhar


cada sombra da tua voz


e cada silencio,


cada gesto que tu faças,


meu amor sei-te de cor





Sei cada capricho teu


e o que nao dizes


ou preferes calar,


deixa-me adivinhar


nao digas que o louco sou eu


se for tanto melhor


amor sei-te de cor




Sei porque becos te escondes,


sei ao pormenor


o teu melhor


e o pior


sei de ti mais do que queria


numa palavra diria


sei-te de cor.




Sei cada capricho teu


e o que nao dizes


ou preferes calar


deixa-me adivinhar


nao digas que o louco sou eu


se for tanto melhor


amor sei-te de cor




Sei de cor


cada traço do teu rosto,


do teu olhar


cada sombra da tua voz


e cada silencio,


cada gesto que tu faças


meu amor sei-te de cor

sexta-feira, 4 de abril de 2008

Ausência

Aperto-te nos meus braços... tentando manter-te ao pé de mim!
Fico surda ao som da tua voz quando dizes que tens de partir...
Sinto o meu corpo esmagar-te impedindo-te de sair dos meus braços...
Sinto o coração a chorar prevendo a tua ausência...
A tua ausência é a minha dor...
Teu afastamento o meu pecado!