sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Palpitações aceleradas

Queria conseguir deitar-me tranquilamente e não pensar em ti..
Queria guardar-te para os mais belos sonhos que teria ao dormir!

Mas fico a recordar cada palavra que me disseste...
Cada palpitação que eu senti...
Sempre que penso na distância e no tempo que falta... O meu coração não aguenta e não me deixa dormir...
Dou voltas e voltas na cama... nada consegue acalmar-me...
Às vezes dou por mim envolta nos meus braços a tentar sentir o teu abraço...

Isto de te ter longe não é nada facil de sobreviver! (Adoptei mais uma... depois pago-te :p)

7 comentários:

Márcio disse...

Olá!
Fico feliz como comentador do blog que apesar da distância tenhas encontrado alguém que te faça feliz! :D

Agora sendo a pessoa que sente tão bem as tuas palavras como se fossem minhas, só quero que saibas que fico com asma perante as tuas palavras… Que sinto-me frágil por querer e não conseguir ter o teu abraço…
És tu a causadora das minhas melhores insónias…

Beijinhos fofos princesa!

P.B. disse...

Márcio

És tu o causador das minhas solitárias insónias, mas também dos mais doces dos meus sonhos...
Todas estas palpitações são por ti e parece que o meu coração vai pular do peito..

Beijinhos meu lindo

FILFAR disse...

P.B.

aconselho-te vivamente a leitura do livro "Diário da tua ausência", da Margarida Rebelo Pinto.

Bastante interessante, e que retrata um amor incondicional, que apesar de distância, sobrevive a qualquer condicionalismo.

Acredito que todos os amores são relativamente iguais......
Pelo menos no início...........

Paíxão ardente, que nos faz mover o mundo.

Todos acreditamos que um dia encontraremos um amor diferente...
um amor eterno.....

será que existe?????

quero acreditar que sim............

L. C. disse...

Bem, estava eu aqui a pensar "comento, não comento?" estas Palpitações Aceleradas da minha amiga quando li, com muito interesse o comentário do(a) Filfar.
Nunca li esse livro que recomenda. Mas ficou aqui a "martelar" essa expressão de amor incondicional. Que amor é esse? Pessoalmente, acredito que amor incondicional é unicamente o amor que os pais sentem pelos filhos, aquele amor que resiste a tudo, independentemente da forma como os filhos agem com os pais, independentemente de se tornarem criminosos ou doutores. Do amor, esse que todos esperamos encontrar um dia, espera-se que seja condicional (porque incondicional aqui soa-me a indiferente) - amar aquele homem porque não é igual aos outros, porque é especial, porque é ele com tudo aquilo que ele é, porque se não fosse ele com as suas características já não seria a mesma coisa. Sobreviver à distância depende da capacidade do casal para se manter sempre unido e saberem que estão sempre juntos. Amor eterno existe, desde que se saiba alimentá-lo... é como uma pequena fogueira, se não protegermos de ventos e tempestades certamente se apagará, se não a alimentarmos extinguir-se-á. Precisamos cuidá-lo.

Enfim, o texto vai longo e a fugir às Palpitações da minha amiga. Mas isso não comento, pois temos sms e conversas e café e enfim... ;)

**

FILFAR disse...

L.C.,

O tema amor levar-nos-ia a divagar eternamente.

Talvez tenha razão quando diz que um amor incondicional só existe entre pais e filhos.

Mas quando me refiro "aquele amor", tb acredito que um determinado amor será diferente de todos os outros.

Mas tb é verdade que quando encontramos esse amor, temos sempre a tendência de enumerar os motivos que o fazem ser diferente dos outros amores anteriores.

Na verdade, penso que num início são todos semelhantes, e por fim, quando acabam, chegamos à conclusão que tinha sido apenas mais um amor.......

Confuso???
Talvez..... Mas não é o AMOR tb confuso.......

L. C. disse...

Filfar,
com toda a razão, o AMOR é confuso. Já todos os poetas tentaram escrevê-lo e nenhum conseguiu, ou quiçá, todos o conseguiram. No início são semelhantes os sorrisos, a alegria, o brilho nos olhos, a imagem da perfeição... mas será isto o amor ou a forma como se manifesta? O amor não é sempre igual e, principalmente, não precisa necessariamente de acabar. ;)
Mas tem razão, poderíamos divagar eternamente, as conclusões são impossíveis quando se fala em AMOR.

Agora sim, posso comentar as Palpitações da minha amiga. Só para dizer que o teu sorriso hoje e o brilho nos olhos dispensam qualquer comentário. :D

**

L. C. disse...

Olha lá, Maria Tita, tu até já actualizavas estas divagações, não?? Fogo, com tantas novidades e coração sorridente e deixas aqui as divagações abandonadas, ninguém merece!